sexta-feira, 1 de junho de 2018

UMA VIDA SUBLIME VENCE EM ESPANHA A SUA QUINTA DISTINÇÃO DESTE ANO


UMA VIDA SUBLIME, uma longa metragem de ficção realizada por Luís Diogo e produzida com o Cine Clube de Avanca e a Filmógrafo, acaba de venceu o prémio “Portugal de Cine” no 5º Festival de Cine y Televisión Reino de León (Espanha).

Este filme, que foi rodado em parte durante o “Creative Film Workshops” do Festival Internacional de Cinema de AVANCA, teve a sua estreia na última edição do Fantaporto onde Eric da Silva foi distinguido com o Prémio Melhor Ator.

Nomeado entretanto em competições de diversos países, este filme foi já distinguido com o prémio de Melhor Longa-metragem Mundial no “Indy Film Fest” em Indianapolis (USA) e Melhor Guarda-roupa no “Voce Spettacolo Film Festival” de Itália. Também o ator Rui Oliveira venceu o prémio de Melhor Ator da Competição Internacional do “5º Darghanda International Film Festival” na Índia.

Em León, a organização do festival tinha seleccionado 7 filmes portugueses, dando continuidade a uma competição que anualmente distingue o melhor filme português.
Como curiosidade, este festival e entre outras distinções, na categoria de televisão e como melhor série, premiou a produção da Netflix A CASA DE PAPEL.

UMA VIDA SUBLIME é a segunda longa-metragem do cineasta LUÍS DIOGO, que também é autor do argumento original e coprodutor com António Costa Valente. Este filme é protagonizado, para além de Eric da Silva e Rui Oliveira, pela atriz Susie Filipe que é também baterista da banda aveirense “Moonshiners”.

O filme conta a história de um médico que tem uma vida SUBLIME mas para quem a tristeza é verdadeiramente um problema. Inesperadamente usa métodos radicais na esperança de voltar a injetar de vida pessoas que, segundo ele, já não a desfrutam.

Luís Diogo realizou anteriormente a longa metragem PECADO FATAL, que se transformou no filme português de longa metragem de ficção mais premiado de 2014, sendo igualmente autor dos argumentos originais dos filmes A BOMBA (de Leonel Vieira) e GELO (de Luís e Gonçalo Galvão Teles).

UMA VIDA SUBLIME será igualmente exibido no 22º AVANCA, Festival Internacional de Cinema que decorrerá na última semana de julho na localidade de mesmo nome do Concelho de Estarreja, e onde em 2016 decorreram parte significativa das filmagens desta longa metragem de ficção.
UMA VIDA SUBLIME vai estrear nos cinemas portugueses na segunda metade deste ano.

quinta-feira, 31 de maio de 2018

“O MISTÉRIO DO QUARTO ESCURO” NA FEIRA DO LIVRO DE AVEIRO

A HISTÓRIA DO CINEMA CONTADO ÀS CRIANÇAS
Integrado no Dia do Livro Infantil da 43ª Feira do Livro de Aveiro, no espaço do Mercado Manuel Firmino, pelas 18 horas será apresentado o livro “ Mistério do quarto escuro”, um conto de Mariana Bento Lopes com ilustração de Cibele Saque.
Este livro, editado pelas edições do Cine Clube de Avanca teve a participação do Plano Nacional de Cinema dos Ministérios da Cultura e da Educação, na pessoa da sua diretora,  Profa. Dra. Elsa Mendes, para além de ter sido uma publicação apoiada pelo IPDJ - Instituto Português do Desporto e da Juventude.
O livro é a história dos amantes de cinema, da luz da projeção e das histórias guardadas em latas. É a história de um cinema e do seu tempo feito memória. Uma história de uma arte com mais de cem anos, destinada aos mais jovens.
“aquele não era um candeeiro normal! Era o mais bonito que eu alguma vez tinha visto!! A sala iluminou-se, o candeeiro girou e lá dentro corria um cavalo a galope. Parecia magia! Eu nunca tinha visto nada assim!”
Um livro que simplesmente sorri às histórias do cinema, dos que por ele se apaixonaram, dos cineclubes, da sua magia tecnológica, do encontro do cinema com as pessoas de todas as gerações.
Uma obra ilustrada que abre um universo de linhas para descobrir e que nos deixa pensamentos como:
“O meu avô sempre me dizia que observar o mundo era um trabalho tão importante quanto todos os outros. Talvez mais importante ainda, mas isso foi algo que ele me deixou para descobrir.”
Mariana Bento Lopes é licenciada em Comunicação Social – com especialização em novos media – pela Escola Superior de Educação de Coimbra e mestre em Comunicação Multimédia na vertente de Audiovisual Digital pela Universidade de Aveiro.
Colaborou com várias produtoras regionais no âmbito da divulgação cultural, com ênfase no jornalismo aproximado. É membro do Cine-Clube de Avanca desde 2015, tendo levado a cabo um projeto de levantamento (inexistente até à data) da produção cineclubista aveirense, que veio a publicar pela Universidade de Aveiro.
Cibele Saque tem formação artística em Pintura, Estética e História de Arte na Sociedade Nacional de Belas Artes de Lisboa. Licenciatura em Ensino Educação Visual e Tecnológica - ESEL; Formação em Escultura / Estrutura Humana pela Accademia Europeia de Firenze / Accademia d’Arte Bianca Capelo, Florença - Itália. Doutoranda em Artes dos Media.
Desenvolve estudo e trabalho artístico com incidência no ‘movimento e gesto humano’, tendo realizado várias exposições individuais, coletivas e pedagógicas.
Este livro terá nova apresentação na sexta-feira dia 1 de junho na Biblioteca da Escola Egas Moniz em Avanca.

terça-feira, 29 de maio de 2018

UM ADEUS A ANTÓNIO LOJA NEVES


Foi júri das competições do AVANCA e uma voz amiga, interventiva que sempre todos quisemos ouvir.

António Loja Neves esteve sempre nos caminhos dos cineclubes, dos festivais e dos filmes que fazem a memória da nossa cinefilia.

Em português (nos dois lados do Atlântico), ou em crioulo (de Cabo Verde), sempre soube construir palavras que passaram do cinema á poesia, das longas e motivantes conversas ao prazer de redescobrir sábias memórias.

Tinha nascido na Madeira em 1953, passou na adolescência pelo calor de Cabo Verde e viveu a revolução numa Lisboa onde os cravos baralharam as normais regras das armas. No Cineclube Universitário de Lisboa (bem perto da Cinemateca), nos jornais, nas intervenções apaixonadas com que marcava as suas posições, sempre encontrou espaço para olhar o cinema e a sociedade num brilhante colectivo.

Janela atenta e latente do cinema no “Expresso”, o jornalista Loja Neves foi sempre algo mais. A escrita permitiu-lhe espaço para a poesia, tendo sido, com o livro "Barcos, íntimas marcas", Prémio Revelação de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores em 2001. Recentemente e com Margarida Neves Pereira, publicou uma nova obra, "Arménia: Povo e identidade".

No cinema, o documentário transformou-se num dos seus braços armados no espaço da cinefilia e da intervenção política. Esteve em quase tudo o que de documentário foi acontecendo no nosso país e, neste género, realizou em 1993 "Ínsula", seguindo-se "O silêncio" em 1999, com José Alves Pereira, .

Para além do documentário, o seu mais profundo mergulho acabaria por ser no cinema dos PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa). Com ele desenvolveu intensa programação e divulgação, em Portugal, Brasil e Moçambique. Mostras e festivais que tinham sempre o seu cunho, por vezes quase inflamado, numa procura de identidade e conjugação de contextos que sempre o marcaram.
Com Francisco Manso, viria a coorganizou os “Encontros Internacionais de Cinema de Cabo Verde”, que marcaram esse tempo e a geografia de uma língua e cultura, que tiveram por ali um brilhante epicentro.

Licenciado em realização pela Escola Superior de Teatro e Cinema, esteve sempre nos grandes momentos da FPCC - Federação Portuguesa de Cineclubes, participando da sua fundação e intervindo apaixonadamente nos seus movimentos e dinâmicas.

Aos 65 anos, algo ficou vazio entre cinéfilos de três continentes. Ficam cruciais razões para nos lembrarmos do intenso António Loja Neves (1953 – 2018).


quarta-feira, 9 de maio de 2018

RUI OLIVEIRA GANHA PRÉMIO DE MELHOR ATOR NA ÍNDIA

O ator RUI OLIVEIRA venceu o prémio de Melhor Ator da Competição Internacional do 5º Darghanda International Film Festival, da Índia, pelo seu trabalho no filme UMA VIDA SUBLIME. Embora o festival tenha tido lugar em Abril, apenas agora foram comunicados os prémios da Competição Internacional em que competiam 11 longas-metragens.
RUI OLIVEIRA é ator profissional desde 1986, tendo colaborado com várias companhias do Porto como a Seiva Trupe, o Teatro Nacional de S. João, Palmilha Dentada e mesmo com o Teatro de Marionetas do Porto, uma vez que também é marionetista.
Em televisão, participou em OS ANDRADES, CLUBE PARAÍSO ou OS NOSSOS DIAS e faz regularmente dobragens em televisão e cinema, destacando-se o seu trabalho nos filmes da série Madagáscar.
No cinema tem uma breve aparição em VALE ABRAÃO, de Manoel de Oliveira, e fez várias curtas-metragens, podendo apreciar-se o seu talento na curta-metragem NOITE GÉLIDA EM CASTELO BRANCO, disponível no youtube.
Em 2001 foi fundador da ACARO - companhia de teatro, tendo encenado vários espetáculos da companhia no mítico espaço CONTAGIARTE.
O filme UMA VIDA SUBLIME vê assim os seus dois atores principais premiados, já que o ator Eric da Silva venceu o prémio de Melhor Ator da secção Semana dos Realizadores do Fantasporto 2018. A estes prémios junta-se o prémio de MELHOR LONGA-METRAGEM MUNDIAL no recente Indy Film Fest (USA) e MELHOR GUARDA-ROUPA no Voce Spettacolo Film Festival, de Itália.
UMA VIDA SUBLIME, realizado por Luís Diogo, é uma produção do Cine-Clube de Avanca e Filmógrafo, estando prevista a sua exibição no 22º Festival Internacional AVANCA 2018, que irá acontecer na última semana de julho.

segunda-feira, 7 de maio de 2018

FILME “UMA VIDA SUBLIME” VENCE PRÉMIOS NOS EUA E ITÁLIA

A longa-metragem UMA VIDA SUBLIME, de Luís Diogo venceu o prémio BEST OF WORLD CINEMA FEATURE (Melhor longa-metragem mundial não americana) no Indy Film Fest, festival que decorreu em Indianápolis nos Estados Unidos entre 26 de Abril e 6 de Maio. Este festival é uma organização da Indiana State University.

O filme era um dos concorrentes da secção World Cinema, depois de ter sido selecionado entre centenas de filmes.

O prémio já era esperado depois do crítico americano Cristopher Loyd, numa entrevista televisiva, ter colocado UMA VIDA SUBLIME como um dos três filmes a ver dos mais de 150 que compunham o festival.

Também este fim de semana o filme venceu o Prémio de Melhor Guarda-Roupa no Voce Spettaclo Film Festival que decorreu em Matera, Itália, cidade que será Capital Europeia da Cultura em 2019.

Recorde-se que UMA VIDA SUBLIME estreou no Fantasporto onde obteve o prémio de MELHOR ATOR (Eric da Silva), na secção “Semana dos Realizadores”.

UMA VIDA SUBLIME é a segunda longa-metragem do cineasta LUÍS DIOGO, que também é autor do argumento original e coprodutor com António Costa Valente.  Produzida em parceria com o Cine-Clube de Avanca e a Filmógrafo, este filme integrou o projeto “Creative Film Workshops” do Festival de Cinema AVANCA.

Luís Diogo realizou anteriormente a longa metragem PECADO FATAL e é autor dos argumentos originais dos filmes A BOMBA (de Leonel Vieira) e GELO (de Luís e Gonçalo Galvão Teles).

UMA VIDA SUBLIME participou já em 11 festivais, e está selecionado para mais cinco.
Será igualmente exibido no 22º AVANCA, Festival Internacional de Cinema que decorrerá na última semana de julho na localidade de mesmo nome do Concelho de Estarreja, e onde em 2016 decorreram parte significativa das filmagens desta longa metragem de ficção.

O filme conta a história de um médico que tem uma vida SUBLIME mas que não consegue viver rodeado de tristeza pelo que usa métodos radicais na esperança que voltar a injetar de vida pessoas que, segundo ele, já não desfrutam da vida. O problema é que os seus métodos por vezes têm efeitos secundários imprevisíveis.

UMA VIDA SUBLIME vai estrear nos cinemas portugueses na segunda metade deste ano.

https://schedule.indyfilmfest.org/2018/films/a-sublime-life
http://www.vocespettacolo.com/vs-film-festival/
https://vimeo.com/249712359

terça-feira, 24 de abril de 2018

CINE CLUBE DE AVANCA NA PRESIDÊNCIA DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CINECLUBES

Fundada após o 25 de abril, já no ano de 1978, reunindo cineclubes de todos os quadrantes do país, a Federação Portuguesa de Cineclubes (FPCC), tem agora novos corpos gerentes.

Aglutinando o forte movimento cineclubista português, responsável por alguns dos mais significativos projetos, momentos e desenvolvimentos da cinefilia e da política do cinema no nosso país, a FPCC esteve quase sempre na primeira linha do combate da politica cultural nacional.
Num primeiro momento, alicerçada no histórico das lutas políticas contra a ditadura e a sensura que marcaram grande parte dos seus associados fundadores, a FPCC soube sempre encontrar pontos de equilíbriu entre associados, permitindo trabalho comum, a realização de grandes eventos e um constante debate interno onde o cinema tem sido o motor de olhar a sociedade pelos caminhos da criatividade, da memória e de um amplo colchão cultural a que a cinefilia sempre parece recorrer.
Tendo sido os cineclubes a grande escola de quase toda a geração do chamado “Novo Cinema Português”, continua a ser no seu seio que hoje se continua a cultivar boa parte da visão do cinema independente dos novos cineastas que estão a trazer continuamente distinções para o nosso país.

A nova direção entretanto eleita, surge após um tempo de uma vivência difícil, procurando responder aos cineclubes que do norte ao sul do país tomam pontos comuns de trabalho e procuram construír uma nova estratégia globalizante para o cineclubismo. É neste contexto que se integra o facto de serem os cineclubes que comumentemente são considerados os maiores divulgadores e exibidores do cinema português.

O Cine Clube de Avanca (CCA), que já esporadicamente tinha participado em diversos orgãos de gestão, assume pela primeira vez a presidência da direção desta Federação.

António Costa Valente, que tem dirigido os destinos do CCA é agora o novo Presidente da FPCC. Professor universitário e produtor de cerca de uma centena de filmes, tem igualmente uma intensa atividade associativa nas áreas das artes e sobretudo do cinema.

Também António Osório do CCA integra os novos Corpos Gerentes, na qualidade de secretário da Assembleia Geral. Cineasta e designer, tem participado na equipa de várias produções de cinema, nomeadamente em várias obras marcantes do cinema de animação português.

Nos novos Corpos Gerentes estão dirigentes de cineclubes de Abrantes, Amarante, Barreiro, Coimbra, Famalicão, Faro, Guimarães, Tomar, Torres Novas, para além de Avanca, numa abrangência nacional de associados que programam maioritariamente salas icónicas de cinema que se espalham por cidades de todo o continente e ilhas.

domingo, 22 de abril de 2018

FESTIVAL DE CINEMA DE AVANCA EM ISTAMBUL


A vigésima segunda edição do “AVANCA 2018 – Encontros Internacionais de Cinema, Televisão, Vídeo e Multimédia”, tem uma pré-abertura na cidade de Istambul, exibindo uma seleção de filmes de animação portugueses que tiveram a sua estreia mundial no festival de AVANCA.

A convite do ANIMIST 2018, António Costa Valente, diretor do Festival AVANCA, irá intervir na sessão de encerramento deste evento, organizado pelo Departamento de Animação da BAU - Bahçeşehir University.

Este evento, que decorre nesta mítica cidade turca até terça-feira dia 24 de abril, reúne convidados do cinema de animação do oriente e do ocidente, sendo o Festival de Cinema AVANCA, o evento convidado na edição deste ano.

Em Istambul serão exibidas obras de alguns dos mais emblemáticos cineastas do cinema português de animação, como Cláudio Jordão, Manuel Matos Barbosa, Patrícia Figueiredo, Carlos Cruz, Raquel Felgueiras, Vitor Lopes, Raquel Atalaia ou Francisco Lança.

Entre os filmes que serão exibidos estará o filme português mais premiado de sempre, “Conto do Vento” de Cláudio Jordão e Nelson Martins e também o filme de ficção científica “15 bilhões de fatias de (-) + Deus” que foi realizado em 2012, o ano em que o cinema português não teve qualquer apoio estatal. Este filme inscreve por isso um especial agradecimento à crise e também ao Nobel neurocirurgião Egas Moniz pelo seu sentido inspirador.

A paisagem à volta de Avanca estará representada no filme “A ria, a água, o homem...”, que no apurado desenho de Matos Barbosa permite um mergulho na memória e nas ancestrais atividades da apanha do moliço e da pesca na ria.

Tendo todos os filmes sido produzidos no estúdio de cinema de animação do Cine-Clube de Avanca, em colaboração e parceria com diversas entidades e produtoras, os filmes que o AVANCA seleccionou têm uma particular aproximação ao contexto motivador do festival turco.

O ANIMIST 2018 procura deliberadamente o encontro com a palavra “animista”, relembrando "o poder que constantemente se renova e se modifica fora das atividades humanas; todos os instintos de uma pessoa; meio ambiente, a natureza que não sofreu grandes mudanças por mãos humanas e preservou sua beleza natural”. O festival lembra ainda que há muitas palavras derivadas como: anima, animal, animação, animador...

Este encontro entre Avanca e Istambul marca a continuidade de procura de aproximações que têm marcado os vinte e um anos do Festival AVANCA. Anteriormente foram estabelecidas pontes com várias cidades europeias, do Brasil, mas também da Ásia, nomeadamente com Tóquio de que resultou a publicação do “International Journal of Cinema”.

O 22º AVANCA 2018 irá acontecer este ano entre 20 e 29 de julho próximo, numa organização conjunta do Cine-Clube de Avanca e do Município de Estarreja com o apoio do ICA / Ministério da Cultura, Junta e Paróquia de Avanca, Agrupamento de Escolas de Estarreja e diversas entidades locais. Como habitualmente, o festival integrará uma conferência científica, congregando diversas universidades e centros de investigação portugueses e estrangeiros.