quinta-feira, 2 de novembro de 2017

4 FILMES DE ANIMAÇÃO DE AVANCA NO ANIMAV EM MADRID

Entre os dias 9 e 11, no espaço La N@ve, na cidade de Madrid, quatro filmes de animação produzidos pelo Cine-Clube de Avanca, vão estar em exibição no ANIMAV, Festival de Cinema de Animação.

Os filmes, selecionados em colaboração com a distribuidora espanhola Noveolas, são “A ria, a água, o homem” de Manuel Matos Barbosa, “Só” de Nuno Fragata, “15 bilhões de fatias de (-T) + Deus” de Cláudio Jordão e “Lágrimas de um palhaço” de Cláudio Sá.

O filme de Manuel Matos Barbosa faz uma visita à Ria de Aveiro, com texto de Raul Brandão e com a voz do ator Joaquim de Almeida. O cineasta prepara de momento um novo filme com base num conto de Fialho de Almeida.

Nuno Fragata, com uma forte presença na BD e ensino artístico universitário, desenvolveu em “Só” um trabalho de características experimentais que tem estado em constante exibição por festivais de todo o mundo.

Cláudio Jordão produziu este filme no ano em que o cinema português não teve qualquer apoio. Obra experimental realizada num surpreendente 3D, aborda o universo num contexto de uma família de outra galáctica.

Cláudio Sá, realizador de “Lágrimas de um palhaço”, experimentou nesta obra um novo grafismo num filme onde as palavras são substituídas pelas emoções.

Os filmes, produzidos pelo Cine-Clube de Avanca em colaborações diversas com a Filmógrafo e Kotostudios, têm tido uma ampla divulgação internacional.

Em Madrid, o ANIMAV irá decorrer na La N@ve, um novo espaço de grande construção, destinado à cultura e ciência e resultante da recuperação de uma antiga fábrica de elevadores.

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

AÇORES HOMENAGEIA MANUEL MATOS BARBOSA

O cineasta Manuel Matos Barbosa acaba de ser homenageado pela organização do 8º Festival Internacional de Curtas Metragens dos Açores - CURTA AÇORES 2017.
Em cerimónia que decorreu na noite de sábado dia 30 de setembro, no belíssimo Teatro Ribeiragrandense, abriu com a exibição do filme de animação “A ria, a água, o homem...”. A convite da organização, António Costa Valente fez a apresentação do homenageado, percorrendo a sua vida como cineclubista, artista plástico, desenhador, organizador de eventos cinematográficos, para além da sua obra cinematográfica, enquanto documentarista e realizador de cinema de animação.
Tendo sido homenageado anteriormente pelo Museu da Cidade em Aveiro e pelo Museu Regional de Oliveira de Azeméis, cidade onde nasceu e onde vive, Manuel Matos Barbosa é autor de 17 filmes que foram distinguidos com 64 prémios na Alemanha, Andorra, Angola, Áustria, Bósnia e Herzegovina, Bélgica, Brasil, Eslovénia, Espanha, França, Grécia, Itália, Moçambique, Rodésia e naturalmente Portugal.
Na mesma noite foi igualmente homenageado o cineasta Luís Filipe Rocha, que tendo filmado dois dos seus filmes no Arquipélago Açoreano (“Adeus Pai” em 1996 e “Cinzento e Negro” em 2015), relembrou a obra literária de Raúl Brandão que surge no seu último filme, mas também no de Matos Barbosa.
A organização ainda homenageou a título póstumo Ayres d'Aguiar, um homem de negócios açoreano que foi produtor de cinema em Paris, tendo sido responsável por diversos filmes de sucesso e trabalhado com atores como Fernandel.
Os premiados da edição deste ano do festival CURTA AÇORES, foram obras da Hungria e Irão, tendo filme “Reis do Sertão” recebido o Prémio Documentário Internacional. Este filme, realizado por Pablo Sant'Ana, é uma coprodução do Brasil e Portugal, onde a produção portuguesa foi assegurada pela Filmógrafo e Cine-Clube de Avanca.
Sendo o único festival de cinema a decorrer nos Açores, reuniu uma competição internacional e uma competição regional, este evento é uma organização do Clube de Cinema da Ribeira Grande e contou com o apoio da autarquia e do Governo Regional dos Açores.

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

CIBELES DE MADRID RECEBE O FESTIVAL DE CINEMA AVANCA 2017

Depois do 21º Festival Internacional de Cinema AVANCA 2017 se ter iniciado em Madrid, no Centro Cultural Pilar Miró, este festival da região centro do país, que este ano comemora 20 anos, volta a Madrid.

Na Galeria Cristal de Cibeles, no centro da capital espanhola, numa organização do Ayuntamiento de Madrid, após a projeção do filme "Good bye Berlín" de Fatih Akin, pela meia noite da próxima sexta-feira dia 1 de setembro, será projetado um conjunto de curtas metragens programadas pelo Festival AVANCA.

Integrando o evento “Cibeles de Cine” (www.cibelesdecine.com), serão exibidos 9 filmes originários da Argentina, Espanha, Estónia, EUA, Rússia, Suíça e naturalmente Portugal.

Os filmes portugueses são:

SENDAS, um filme de animação da realizadora Raquel Felgueiras, teve a sua estreia no AVANCA 2016 e tem estado em exibição em festivais do Bangladesh, EUA, Espanha, São Tomé e Príncipe, Itália, Grécia, Eslovénia, Sudão, para além de variadíssimos festivais e mostras em Portugal.
Este filme, que questiona a forma de escapar e sobreviver a experiências traumáticas, foi produzido pelo CEINAV da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, numa parceria com o Cine-Clube de Avanca e Filmógrafo.

LANDING, do realizador Filipe Martins, também estreado no AVANCA 2016 é uma obra que junta a dança ao cinema num trabalho experimental de grande folgo deste cineasta e da coreografa Né Barros.
Produzido conjuntamente pelo Ballet Teatro do Porto e pelo Festival AVANCA, esta obra foi em grande parte rodada no contexto dos workshops profissionais do AVANCA.
Distinguido nos festivais CAMINHOS (Coimbra), no Lisbon International Film Festival e no PAISAGENS (Sever do Vouga), este filme tem sido exibido no Brasil, Espanha, Hungria, Itália, México e Reino Unido.

“Medianoche en Cibeles” ao trazer o cinema do Festival AVANCA para o centro de Madrid, entre conversas e música, marca as noites quentes desta capital europeia.

O AVANCA 2017, Encontros Internacionais de Cinema, Televisão, Vídeo e Multimédia, é uma organização do Cine-Clube de Avanca e Câmara Municipal de Estarreja com apoio do ICA / Ministério da Cultura, IPDJ, Região de Aveiro, FCT, Junta de Avanca, Paróquia e Escola Egas Moniz, entre diversas entidades locais.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

“PECADO FATAL” DE LUÍS DIOGO EM EXIBIÇÃO NA TELEVISÃO HÚNGARA

PECADO FATAL do realizador Luís Diogo estará em exibição na Hungria, nos canais de televisão Filmbox Premium e Filmbox, durante este mês de agosto, segundo o site “musor.tv” daquele país (https://musor.tv/tvmusor/Halalos_bunok/18508737).

Esta longa-metragem, produzida em parceria com o Cine-Clube de Avanca e a Filmógrafo, protagonizada por Sara Barros Leitão, Miguel Meira e João Guimarães, conta uma história de equívocos e paixão que vive no limbo de um pecado irrevelável. Miguel leva Lila para uma noite de sexo rápido na casa de um amigo e os acontecimentos precipitam-se. Um filme onde a verdade e a paixão são motores maiores na narrativa de Luís Diogo.

PECADO FATAL recebeu onze distinções, integrou o TOP 10 da cinematografia lusófona e teve nomeações nos Prémios Sophia e Globos de Ouro. As distinções foram chegando de festivais internacionais no Brasil, Bulgária, Cabo Verde, Canadá, Croácia, Itália, São Tomé e Príncipe, para além de Portugal.

Depois de PECADO FATAL, Luís Diogo iniciou a rodagem de um novo filme durante o 20º Festival de Cinema AVANCA, no espaço do Clube de Caça e Pesca, tendo posteriormente rodado em Castelo Branco, Paços de Ferreira, Porto e Santo Tirso (Monte Córdova).

Intitulado UMA VIDA SUBLIME, este novo filme, que se arrisca a ser particularmente polémico ao envolver diagnóstico do cancro e a eliminação dos 5 sentidos, tem o seu principal enredo no espaço da investigação clínica e na procura da cura da infelicidade. Protagonizado por Eric da Silva, Susie Filipe e Rui Oliveira, este filme encontra-se em fase de pós-produção e terá a sua estreia nos cinemas em 2018.

Luís Diogo, nasceu na Guiné-Bissau e é natural de Castelo Branco. Formado em artes visuais pela ESE de Castelo Branco, estudou cinema na ESAP – Escola Superior Artística do Porto, tem orientado e coordenado ações de formação em escrita cinematográfica, nomeadamente no Festival de Cinema AVANCA.
Argumentista, as suas histórias envolveram realizadores como Leonel Vieira, M. F. Costa e Silva, Luís e Gonçalo Galvão Teles, nomeadamente o filme “Gelo”, recentemente premiado em Sidney na Austrália.




quarta-feira, 2 de agosto de 2017

FESTIVAL DE CINEMA AVANCA 2017 LEVA FOTOGRAFIA PORTUGUESA A ESTARREJA

Terminado o 21º AVANCA 2017 – Encontros Internacionais de Cinema, Televisão, Vídeo e Multimédia, que decorreu até ao passado domingo, a mostra “Coletiva de Fotografia de Autores Portugueses” que ali esteve presente, vai agora até novo espaço em Estarreja.

Na Galeria de Arte da Casa da Cultura, a partir da próxima sexta feira dia 4 de agosto e até 3 de setembro estará disponível à visita pública em horário diário esta exposição onde a luz é a razão de cada imagem e o elemento comum à cinematografia que está na origem do festival de cinema que em Avanca acaba de comemorar 20 anos.

Esta coletiva tem curadoria e organização conjunta de Olga Santos, arquiteta e galerista, e de Domingos Júnior, arquiteto e artista plástico.

A mostra reúne trabalhos de Alexandra Carmo, André Gigante, António Reis, António Teixeira, Filipe Carneiro, João Medeiros, João Paulo Sottomayor, Jorge Pedra, Júlio Matos, Luca C., Luciana Bignardi, Malica C., Maria Vasconcelos, Pedro Malheiro, Pedro Mesquita e Rui Morão.

As obras presentes permitem olhar para um amplo espectro da arte fotográfica portuguesa, com propostas estéticas e de exploração técnica diversas, reunindo artistas marcantes que têm pontuado os últimos anos da arte portuguesa.


A mostra, integrando o Festival de Cinema, é resultado da parceria organizativa do Cine-Clube de Avanca e Município de Estarreja.

domingo, 30 de julho de 2017

IRÃO VENCE NO FESTIVAL DE CINEMA AVANCA


9 filmes portugueses entre os premiados do 21º AVANCA 2017.

Irão é o grande vencedor do “21º Encontros Internacionais de Cinema, Televisão, Vídeo e Multimédia – AVANCA 2017”, encerrando 10 dias de festival e 5 dias de competições, conferências e workshops internacionais e exposições.
O AVANCA 2017 atribuiu prémios a filmes e autores de 11 países.

“Kashtiban” do realizador iraniano Majid Esmaeli-Parsa arrebatou o Prémio Cinema para a Melhor Longa-metragem e Prémio fotografia (a Mohammed Fakouri). “Heyvan” de Barham & Bahman Ark, igualmente do Irão, recebeu o Prémio de Melhor Curta Metragem. Foram ainda distinguidas com Menções Especiais as longas–metragens “Marisa en los bosques” de Antonio Morales (Espanha) e “Foro Íntimo” de Ricardo Mehedff (Brasil). Este último filme foi também distinguido com o Prémio Melhor Ator, atribuído a Gustavo Werneck.

Na animação, “Scrambled” do holandês Bastiaan Schravendeel foi distinguido com o Prémio Melhor Animação e “And the moon stands still” de Yulia Ruditskaya (Bielorússia, Alemanha e EUA) recebeu uma Menção Especial.

Surpreendentemente o Prémio Estreia Mundial foi para “Loop” dos muito jovens Manuel Caeiro e Valério Marques, finalistas da Escola Val do Rio.

O júri cinema foi constituído pelos cineastas Goran Radovanovic (Sérvia) e Latifa Said (França, Argélia), o ator Tibo Vandenborre (Bélgica) e os programadores internacionais Ana Abramovic (Croácia), Antonio Delgado Liz (Espanha) e Tsanko Vasilev (Bulgária).

Entre as categorias mais esperadas esteve a “Competição Avanca”. Reunindo obras produzidas ou co-produzidas na região, foi distinguida a animação “Fim da linha” de Paulo D'Alva e António Pinto, o documentário “Canil” de Miguel Marques e a longa metragem “Ad Ventum” de Barbara Mateos. O Prémio Estreia Mundial foi para “Antes que a noite venha – falas de Antígona” de Joaquim Pavão e “Canil”.
O júri, constituído pelos cineastas Manuel Matos Barbosa, Maria Raquel Atalaia, Sofia Barata e os programadores Judite Barros da Costa e Severiano Casalderrey, atribuíram ainda Menções Especiais para “Vicente um corvo diferente”, uma animação de um coletivo de alunos do AE Ovar Sul e o documentário “Sonho Longínquo no Equador” de Hamilton Trindade.

Os documentários “Flames” dos norte-americanos Zefrey Throwell e Josephine Decker e “Pelerinaxes” de Simone Saibene (Espanha) venceram ex-aequo o Prémio Televisão.
A obra portuguesa “Ba(p)tismo de Terra” de Vanessa Rodrigues recebeu uma Menção Especial e o filme “Homestay” de Lolo Arziki (Cabo Verde) ganhou o Prémio Estreia Mundial Televisão.
O júri foi constituído pelo realizador Rui Nunes, o argumentista Henrique Vaz Duarte, os poetas António Souto e Manuel Freire, os artistas plásticos Acácio Rodrigues e Marco Silva, o ator Carlos Rico, o jornalista Fernando Pinho, o programador Pedro Medeiros e o professor universitário José Sousa.

O prémio vídeo foi atribuído a “Her” de Grace Guo (China) e o Prémio Sénior a “El inconveniente” de Adriana Yurcovich (Argentina).
O Prémio Estreia Mundial neste âmbito distinguiu a obra portuguesa “O maravilhoso Reino da Terra” de Carlos Silveira.
O júri destes prémios foi constituído pelo realizador Rui Filipe Torres, a jornalista Ana Teresa Silva, a artista plástica Cibele Saque e a arquiteta Cláudia Bordalo.

A competição “Trailer in Motion” distinguiu o trailer “Frames Roots” de André Spencer (Suécia) e o videoclipe “Pena Verde” da realizadora portuguesa Ana Filipa Flores. O júri foi constituído pelos críticos Germano Campos, Nuno Reis, pelo músico Sérgio Ferreira e pela cineclubista Fátima Cabral.

Entretanto, na “AVANCA|CINEMA, Conferência Internacional Cinema – Arte, Tecnologia, Comunicação”, o Prémio Eng. Fernando Gonçalves Lavrador, em homenagem póstuma a um dos mais relevantes investigadores portugueses na área da semiótica, estética e teoria do cinema, distinguiu a investigadora Szilvia Ruszec da University of Southern California (EUA) e atribuiu uma Menção Honrosa a Veronique Chance da Anglia Ruskin University (Reino Unido).
O júri deste prémio foi constituído pelos académicos Alice Fátima Martins e José Umbelino (Brasil), Christian Iseli (Suiça), Yen-Jung Chang (Taiwan) e os portugueses Adriano Rangel, Fátima Chinita, José Ribeiro e José Marta.

No total, seis júris constituídos por 37 individualidades de 10 países atribuíram 18 prémios e 7 menções especiais.

O AVANCA acontece todos os anos em Avanca e é uma organização do Cine-Clube de Avanca e Câmara Municipal de Estarreja com o apoio do ICA/Ministério da Cultura, Instituto Português do Desporto e da Juventude, Região de Aveiro, FCT, Junta de Freguesia e Paróquia de Avanca, Agrupamento de Escolas de Estarreja, para além de várias organizações internacionais e entidades locais.


terça-feira, 25 de julho de 2017

“ANTÍGONA” ABRE FESTIVAL DE CINEMA “AVANCA 2017”

Esta quarta-feira dia 26, pelas 21h45 no Auditório Paroquial de Avanca, o 21º Festival Internacional de Cinema AVANCA 2017 abre com a cerimónia de entrega de prémios do ano anterior e com a estreia do filme “Antes que a noite venha - falas de Antígona” de Joaquim Pavão.

O filme “Antes que a noite venha - falas de Antígona” foi rodado em Avanca e produzido pelo festival de Cinema AVANCA 2016 em colaboração com a Fugir do Medo e a Filmógrafo. Com autoria do realizador Joaquim Pavão e baseado na obra de Eduarda Dionísio, é protagonizado por Isabel Fernandes Pinto, Rui Pena e Claudinei Garcia. Esta obra será a primeira dos 128 filmes que serão exibidos no AVANCA 2017.

A noite de entrega de prémios será transmitida via internet, num direto assegurado por alunos de televisão e vídeo da Escola Profissional Val do Rio, de Oeiras.

Com uma forte presença de obras que aqui fazem a sua estreia, no AVANCA 2017 serão exibidos 16 filmes em estreia mundial e todos os filmes que integram a seleção competitiva em estreia nacional.

Destaque para as longas metragens “Kashtiban” de Majid Esmaeili (Irão), “Marisa en los bosques” de Antonio Morales (Espanha) e “Foro Íntimo” de Ricardo Mehedff (Brasil) que serão exibidas nas noites de quinta e sexta-feira no Auditório Paroquial de Avanca.

Portugal será no entanto o país com mais filmes exibidos nas competições do festival. Pela primeira vez na competição internacional de cinema estarão presentes os seguintes 5 filmes: “Limbo” de Pedro Sousa, “Já passou” de Sebastião Salgado e Pedro Patrocínio, “Loop” de Manuel Caeiro, “Hei-de morrer onde nasci” de Miguel Munhá, “Esta Noite Que Nos Chama” de Francisco Morais e Miguel Pinto.

A presença portuguesa na seleção internacional estende-se à televisão, com os documentários “Palingénese” de Nuno Braumann e Pedro Koch e “Baptismo de Terra” de Vanessa Rodrigues e na competição vídeo “Placidez” de Luís Miranda, “Os peixes não voam assim” de Tiago Damas
e “May I ? remix#” de Vasco Diogo.

O AVANCA 2017 será ainda o momento de estreia de vários filmes produzidos na região. Assim, serão exibidas as longas metragens “Canil” de Miguel Marques, “Sonho Longínquo no Equador” de Hamilton Trindade (uma coprodução com São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau) e “Ad Ventum - Em direção ao vento” de Bárbara Mateos (uma coprodução com Espanha).
Nas curtas metragens serão exibidos os filmes “A língua” de Adriana Martins da Silva, “Andorra Liechtenstein” de João Costa, “Your Turn” de David Rebordão, “Reis do Sertão” de Pablo Sant'Ana (uma coprodução com o Brasil), “Fim da linha” de Paulo D'Alva e António Pinto, “Vicente um corvo diferente” de Coletivo de Crianças A.E. de Ovar Sul, “Carga” de Luís Campos, “The Lever” de Evangelos Giovanis e Rosário Costa além do filme de Joaquim Pavão.

Paralelamente, serão exibidas mostras panorâmicas do cinema de países como a Itália, Japão, Croácia, Bulgária, Espanha, Hungria e Marrocos. Um Panorama do Cinema Português com longas e curtas metragens, tem particular realce, sobretudo ao permitir um continuado encontro com a nossa cinematografia que nos últimos anos têm vindo a crescer tanto em número como sobretudo qualidade.


Organizado pelo Cine Clube de Avanca e pelo Município de Estarreja, o festival decorre até dia 30 e tem o apoio do Instituto do Cinema e do Audiovisual, do Ministério da Cultura, do Instituto Português do Desporto e da Juventude, Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro e Fundação para a Ciência e Tecnologia, entre diversas entidades locais.