segunda-feira, 30 de julho de 2018

“O REI DOS BELGAS” VENCE O FESTIVAL DE CINEMA AVANCA 2018

10 filmes portugueses entre os premiados do 22º AVANCA 2018.

“O Rei dos Belgas” é  o grande vencedor do “22º Encontros Internacionais de Cinema, Televisão, Vídeo e Multimédia – AVANCA 2018”, encerrando 10 dias de festival e 5 dias de competições, conferências e workshops internacionais e exposições, este festival atribuiu prémios a filmes e autores de 11 países.
“O Rei dos Belgas”, dos realizadores Peter Brosens e Jessica Woodworth, arrebatou o Prémio Cinema para a Melhor Longa Metragem e o Prémio D. Quixote da FICC - Federação Internacional de Cineclubes.

Tendo sido a primeira vez que esta federação internacional atribuiu prémios no AVANCA, também atribuiu uma Menção Especial ao filme esloveno “Ivan”.

Sobre o filme “O Rei dos Belgas”, o Júri da FICC, constituído por Christl Grunwald Merz (Alemanha), Mokhlesur Rahman Talukdar (Bangladesh) e João Paulo Macedo (Portugal), disse que o filme “aponta contradições entre as boas intenções da fundação da União Europeia e também das Nações Unidas e as realidades vividas na Europa após a 2ª Guerra Mundial. Neste aspeto, a Guerra dos Balcãs e as transformações pós 1989 são claramente mencionadas de forma muito crítica”.

Esta é a terceira vez que o casal de origem belga e americana ganha o principal prémio do festival internacional de cinema AVANCA. A primeira vez foi em 2008 com “Khadak” (um filme rodado na Mongólia), e em 2010 com “Altiplano” (rodado no Peru).

Foram ainda distinguidas com Menções Especiais as longas–metragens “Marias da Sé” de Filipe Martins (Portugal), “Ivan” de Janez Burger (Eslovénia) e “A Floresta” de Roman Zhigalov (Rússia).

O Prémio Melhor Atriz foi para Maruša Majer, que protagonizou “Ivan” e o Prémio Melhor Ator foi para Oleg Shibayev do filme  “A Floresta”.

O Prémio Curta Metragem foi para “Terra Amarela” de Dinis M. Costa e a animação, “Playing House” de Özgül Gürbüz e Cenk Köksal  da Turquia, foi distinguida com o Prémio Melhor Animação.

O júri cinema foi constituído pelo jornalista Germano Campos e pelos cineastas Angelique Muller (Malta), Masoud Soheili (Irão), Simone Saibene (Itália, Espanha), Lolo Arziki (Cabo Verde) e José Carlos de Oliveira.

Entre as categorias mais esperadas esteve a “Competição Avanca”. Reunindo obras produzidas ou co-produzidas na região, foi distinguida a curta metragem “5 cigarrilhas” de Passos Zamith, o documentário “Casa Amarela” de Ana Luísa Lopes e o Prémio Estreia Mundial foi para “Pretu Funguli” de Costa Valente e Monica Musoni.
“Uma Vida Sublime” de Luís Diogo foi distinguido com o Prémio Melhor Longa Metragem, sendo já o 11º prémio que este filme recebe em 2018.
O júri foi constituído pelo cineasta Bernardo Cabral, pelo crítico de cinema Nuno Reis e pelos programadores Pedro Meireles e Judite Barros da Costa.

O documentário “Intraterrestrial. A Fleeting Contact" de Alexander e Nicole Gratovsky (Espanha) venceu o Prémio Televisão.
A obra portuguesa “No Momento" de Rui Martins recebeu o Prémio Estreia Mundial Televisão.
“Cru” de Carlos Ruiz foi distinguida com uma Menção Honrosa.
O júri foi constituído pelo realizador Rui Nunes, o argumentista Henrique Vaz Duarte, os poetas António Souto e Manuel Freire, o ator Carlos Rico, o jornalista Fernando Pinho e os cineastas Manuel Matos Barbosa e Manuel Paula Dias.

O prémio vídeo foi atribuído a “Night Sea Journey” de Sara Stäuble (Suiça). O júri deste prémio foi constituído pelos programadores e cineastas Ana Miranda, André Spencer, pela investigadora Cláudia Martins e pelo crítico Nuno Reis.

O Prémio Cineasta Júnior, para realizadores até 30 anos, foi atribuído a “Impessoal” de Marianne Harlé, tendo ainda sido atribuída uma Menção Especial a “No Final da Linha” de Rita Morais.
O júri destes prémios foi constituído pela jornalista Ana Teresa Silva, a artista plástica Cibele Saque, o crítico Nuno Reis e a arquiteta Cláudia Bordalo.

A competição “Trailer in Motion” distinguiu o trailer “Por Detrás da Moeda” de Luís Moya (Portugal) e o videoclipe “La Más tierna” de Alberto Martinez Arpa (Espanha). O júri, constituído pelo músico Sérgio Ferreira e pela cineclubista Fátima Cabral, atribuiu ainda uma Menção Especial ao trailer “Urban Sniper 2” do português Gustavo de Luís.

Entretanto, na “AVANCA|CINEMA, Conferência Internacional Cinema – Arte, Tecnologia, Comunicação”, o Prémio Eng. Fernando Gonçalves Lavrador, em homenagem póstuma a um dos mais relevantes investigadores portugueses na área da semiótica, estética e teoria do cinema, distinguiu o investigador Jesús Ramé López da Universidad Rey Juan Carlos (Espanha) e atribuiu uma Menção Honrosa a Kristian Feigelson da Université de Paris (França).
O júri deste prémio foi constituído pelos académicos Alice Fátima Martins (Brasil), Alfonso Palazon (Espanha), Szilvia Ruszev (EUA) e os portugueses Adriano Rangel, Anabela Oliveira, José Ribeiro e José Marta.

No total, 9 júris constituídos por 37 individualidades de 11 países atribuíram 17 prémios e 8 menções especiais.

O AVANCA acontece todos os anos em Avanca e é uma organização do Cine-Clube de Avanca e do Município de Estarreja com o apoio do ICA/Ministério da Cultura, Instituto Português do Desporto e da Juventude, Junta de Freguesia e Paróquia de Avanca, Agrupamento de Escolas de Estarreja, para além de várias organizações internacionais e entidades locais.



terça-feira, 24 de julho de 2018

22º FESTIVAL DE CINEMA “AVANCA 2018” COM 18 ESTREIAS MUNDIAIS E FORTE PRESENÇA DO CINEMA PORTUGUÊS

O 22º Festival Internacional de Cinema AVANCA 2018 abre esta quarta-feira dia 25, pelas 21h45 no Auditório Paroquial de Avanca, com a cerimónia de entrega de prémios do ano anterior e com a estreia de duas curtas metragens dos cineastas Moisés Rodrigues e Paulo Araújo. A forte presença do cinema português é mais uma vez uma marca deste festival que anualmente acontece na última semana de julho.

O filme “Marias da Sé” de Filipe Martins é um dos finalistas para o Prémio Longa Metragem deste ano. Rodado na baixa da cidade do Porto e protagonizado por habitantes da zona da Sé, entre o documentário e a ficção, esta obra marca a entrada no formato maior do cinema de Filipe Martins. Este cineasta tinha anteriormente rodado nos workshops do AVANCA o filme “Landing”, várias vezes premiado e nomeado em festivais internacionais.

Este é um dos 18 filmes em estreia mundial no AVANCA 2018, a que se juntam todos os restantes filmes da seleção competitiva, que serão exibidos em estreia nacional.

Também nomeados para o Prémio Longa Metragem, estão os filmes “A Floresta” de Roman Zhigalov (Rússia), “Ivan” de Janez Burger (Eslovénia) e “O Rei dos Belgas” de Peter Brosens e Jessica Woodworth (Bélgica) que serão exibidas nas noites de quinta e sexta-feira.

A presença portuguesa na seleção internacional acontece com as curtas metragens “Punição” de Paulo Araújo e “Terra Amarela” de Dinis M. Costa, com os documentários “Cru” de Carlos Ruiz, “A aldeia solitária” de Carlos Silveira, “No Momento” de Rui Martins, “Hélice” de Tiago Silva e com os vídeo expeimentais “Sombra” de Rui Filipe Torres e “Memórias da Vida Moderna” de Inês Soares.

O AVANCA 2018 será ainda o momento de estreia de vários filmes produzidos na região. Assim, serão exibida a longa metragem “Uma Vida sublime” de Luís Diogo e o documentário “Pretu Funguli” de Costa Valente e Monica Mussoni (uma coprodução com a Guiné-Bissau).
Nas curtas metragens serão exibidos os filmes “5 cigarrilhas” de Passos Zamith, “Em vez de palavras, o vento” de Tiago Damas, “Avesso” de Francisco Colombo (uma coprodução com o Brasil), “Casa Amarela” de Ana Luísa Lopes e a animação “Rodar” de Moisés Rodrigues.

Este ano o Prémio Cineasta Júnior, atribuido a um realizador com menos de 30 anos, reúne além de obras de cineastas estrangeiros, 15 filmes de realizadores portugueses. O Prémio Cineasta Sénior, para realizadores com mais de 60 anos, reúne este ano 3 filmes.

Paralelamente, serão exibidas mostras panorâmicas do cinema de países como o Japão, França, Malta, Turquia e naturalmente Portugal.

A noite de entrega de prémios será transmitida via internet, num direto assegurado por alunos de televisão e vídeo da Escola Profissional Val do Rio, de Oeiras.

Organizado pelo Cine Clube de Avanca e pelo Município de Estarreja, o festival decorre até dia 29 e tem o apoio do ICA / Ministério da Cultura, IPDJ, Região de Turismo do Centro, Junta de Avanca, DeCA / Universidade de Aveiro, Universidade de Coimbra, UTAD, ESAP, ESAD, Academia Portuguesa de Cinema, Federação Internacional de Cineclubes, Agrupamento de Escolas e Paróquia de Avanca, para além de várias entidades locais.

UMA VIDA SUBLIME VENCE FESTIVAL DE CINEMA EM ESPANHA

O filme “Uma Vida Sublime” de Luís Diogo foi o grande vencedor do Festival Internacional de Cine de Calzada de Calatrava, realizado na terra de nascimento de Pedro Almodóvar que apoia o festival através da sua produtora EL DESEO.

O filme venceu quatro dos seis prémios para que estava nomeado, incluindo o prémio maior do festival, o de Melhor Filme.

Eric da Silva venceu o prémio de Melhor Ator, repetindo o prémio que já havia ganho na Semana dos Realizadores do Fantasporto.

Rui Oliveira ganhou o prémio de Melhor Ator Secundário, sendo também o segundo prémio que ganha com este filme depois de ter vencido o prémio de Melhor Ator no Darbhanga Internacional Film, na Índia.

Finalmente Luís Diogo, o realizador do filme Uma Vida Sublime, venceu o prémio de Melhor Argumento.

Estes quatro prémios juntam-se aos seis já ganhos pelo filme, num total de dez prémios em 16 festivais.

Uma Vida Sublime conta a história do Doutor Ivan, um médico que tem uma vida perfeita, em que a única coisa que o incomoda é ver que nem todos têm uma vida tão sublime quanto a sua. Assim, ele usa dois métodos extremos para que pessoas tristes possam voltar a ser felizes novamente.

Produzido conjuntamente com o Cine Clube de Avanca e Filmógrafo, “Uma Vida Sublime” irá ser exibido no 22º AVANCA Festival Internacional de Cinema onde parte deste filme foi filmado em 2016. Entretanto está prevista a sua estreia nos cinemas portugueses no dia 4 de Outubro, seguindo-se uma estreia na Rússia a 11 de Outubro.


Algumas notícias nos jornais espanhóis sobre o triunfo de Uma Vida Sublime:
https://www.eldiario.es/clm/triunfadora-Festival-Cine-Calzada-Calatrava_0_795470511.html
http://agencias.abc.es/agencias/noticia.asp?noticia=2876062&titulo=%27Una+vida+sublime%27+acapara+cuatro+premios+en+Festival+de+Calzada+de+Calatrava
https://www.lanzadigital.com/tag/una-vida-sublime/

domingo, 8 de julho de 2018

JOVENS APRENDEM A FAZER CINEMA NO FESTIVAL “AVANCA 2018”

CINENTERTAINMENT 7, um espaço dos 6 aos 17 anos

Desenvolver uma história e concretizar um filme é o desafio que jovens de várias idades vão encontrar de novo este ano no 22º Festival de Cinema AVANCA 2018.
Pelo sétimo ano consecutivo a organização do festival preparou um espaço destinado aos mais jovens.

Durante os dias 25 a 29 de julho, enquanto os adultos assistem ás competições de filmes vindos de todos os continentes, enquanto participam em conferências e em workshops profissionais, os mais jovens têm o seu espaço.

São jovens que acompanham os pais na deslocação ao AVANCA, mas também são os jovens da região com vontade de experimentar a arte de fazer um filme.

Dois grupos de jovens cineastas, um com idades entre os 6 e os 12 e outro grupo com idades entre os 13 e os 17 anos, aprendem e experimentam fazer um filme.
A história, o storyboard, o guião, a localização, os técnicos, os atores... tudo isso durante 3 dias intensivos para sentirem o ambiente e o trabalho de uma equipa de produção fílmica!

As crianças e jovens que vão experimentar filmar na paisagem de Avanca, darão aqui em muitos casos, os seus primeiros passos no cinema de animação ou na realização de cinema de ficção.

O que é o cinema, como é feito e quem o faz, são algumas das premissas para 3 dias a usar uma câmara vídeo e explorar a animação imagem-a-imagem.

Histórias, livros, lendas e contos a saírem do papel e da cabeça, para ganharem uma vida em movimento, com som, iluminação e tudo o resto que faz falta. Vai-se idealizar, planear, desenhar, interpretar, editar, sempre com divertimento a acompanhar.

É esta a proposta do CineEntertainment 2018, no festival de Avanca, uma oportunidade para os mais novos, não-adultos, experimentarem o mundo do cinema e dos filmes, em contexto relaxado, animado e integrando um festival de cinema.

A coordenação e acompanhamento está a cargo de Ivo Prata, arte-educador, actor, tecnólogo e mentor do CineEntertainment. Amigo do "Avanca" desde 1998, trabalha com crianças, jovens e adultos em contextos artísticos informais de aprendizagem natural, com filosofia "hands-on".
Obrigatório trazer ideias, vontade e quem conseguir, um brinquedo que filme.

As inscrições estão já disponíveis na página do festival (www.avanca.com), onde bastará procurar a ficha de inscrição em “cinentertainment 7”.

O 22º Festival Internacional de Cinema AVANCA 2018 é uma organização do Cine-Clube de Avanca e Município de Estarreja, com o apoio do ICA / Ministério da Cultura, IPDJ, Região de Turismo do Centro, Junta de Avanca, DeCA / Universidade de Aveiro, Universidade de Coimbra, UTAD, ESAP, ESAD, Academia Portuguesa de Cinema, Federação Internacional de Cineclubes, Agrupamento de Escolas e Paróquia de Avanca, para além de várias entidades locais.

O Verão em AVANCA começa frame a frame!

quarta-feira, 4 de julho de 2018

22º FESTIVAL DE CINEMA AVANCA 2018 ENTRE CAPITAIS EUROPEIAS DA CULTURA E IDENTIDADE EUROPEIA


No ano em que Valeta, é não só a capital de Malta, mas também e durante o ano de 2018, Capital Europeia da Cultura, o Festival Internacional de Cinema AVANCA exibe na sua 22º edição um dos mais emblemáticos projetos audiovisuais produzidos em Malta sobre a atualidade deste país.

Numa altura em que várias cidades portuguesas procuram ser, em 2027, a quarta cidade portuguesa a acolher este projeto comunitário de Capitais Europeias da Cultura, estes filmes que dinamizam uma reflexão sobre politica e sociedade no espaço do audiovisual criativo, parecem ter mais pertinência.

Angelica Muller, cineasta e programadora do Valletta Film Festival, estará no AVANCA a apresentar os filmes e o projeto que esteve na base dos mesmos.

Esta antologia, produzido pela Film Grain Foundation em colaboração com o Conselho de Artes de Malta e a presidência da MAlta EU, intitulada “Ewropej”, reflecte os valores de uma identidade europeia e foi estreada no festival que marca a vida da cultura cinematográfica de Malta, o Valletta Film Festival.

Thomas Georgi é o autor do filme 84 OVELHAS que confronta o destino de certas ovelhas com a burocracia e o pensamento jurídico. As nossas regras e catalogações invadem a vida orgânica, mas parece que o problema é que a natureza orgânica não se importa com as nossas determinações legais.

Qual é a diferença entre Malta em 2003 e agora? Essa é a questão que pairou na cabeça do cineasta Keith Albert Tedesco, antes de me sentar para escrever o filme MOV BAK PLIJZ. Com a entrada na Comunidade Europeia parece que muito mudou em Malta. Terá evoluído para um país próspero e maravilhoso ... na maioria dos dias, pelo menos? Mas terá realmente mudado? Ou acabou por ir cegamente com o fluxo?

TOXICIDADE é um filme de Angelique Muller. Sendo uma sátira poética moderna inspirada no género western spaghett, neste filme não leva mais que um segundo para os melhores amigos se tornarem piores inimigos. Terá algo a ver com o “ American dream” ou o “ Money God”?

Sarah Mallia escreveu e realizou o filme VIVA MALTA, depois de ler um artigo no The Times of Malta. Neste artigo, um professor pintou uma situação apocalíptica em que todos os não-malteses foram repentinamente convidados a deixar o país. Os políticos, e as pessoas que os seguem, realmente entendem as consequências dos seus insultos xenófobos e raciais?

Massimo Denaro é o autor do filme ENTROPIA. A política em Malta é um caso único. Este é provavelmente o único país do mundo onde toda a nação está ativamente envolvida nas eleições, onde a política se mistura profundamente com futebol e fé religiosa, onde a votação é em torno de 95%. ENTROPIA acompanha uma das campanhas eleitorais mais recentes e agressivas da história maltesa, entre o compromisso cego e o desencanto consciente.

Estes 5 filmes estarão em exibição durante o AVANCA 2018, entre 25 e 29 do corrente mês de julho, numa organização do Cine Clube de Avanca e do Município de Estarreja, com o apoio do ICA / Ministério da Cultura, IPDJ, Junta e Paróquia de Avanca, Agrupamento de Escolas de Estarreja e diversas entidades locais e internacionais.


sexta-feira, 1 de junho de 2018

UMA VIDA SUBLIME VENCE EM ESPANHA A SUA QUINTA DISTINÇÃO DESTE ANO


UMA VIDA SUBLIME, uma longa metragem de ficção realizada por Luís Diogo e produzida com o Cine Clube de Avanca e a Filmógrafo, acaba de venceu o prémio “Portugal de Cine” no 5º Festival de Cine y Televisión Reino de León (Espanha).

Este filme, que foi rodado em parte durante o “Creative Film Workshops” do Festival Internacional de Cinema de AVANCA, teve a sua estreia na última edição do Fantaporto onde Eric da Silva foi distinguido com o Prémio Melhor Ator.

Nomeado entretanto em competições de diversos países, este filme foi já distinguido com o prémio de Melhor Longa-metragem Mundial no “Indy Film Fest” em Indianapolis (USA) e Melhor Guarda-roupa no “Voce Spettacolo Film Festival” de Itália. Também o ator Rui Oliveira venceu o prémio de Melhor Ator da Competição Internacional do “5º Darghanda International Film Festival” na Índia.

Em León, a organização do festival tinha seleccionado 7 filmes portugueses, dando continuidade a uma competição que anualmente distingue o melhor filme português.
Como curiosidade, este festival e entre outras distinções, na categoria de televisão e como melhor série, premiou a produção da Netflix A CASA DE PAPEL.

UMA VIDA SUBLIME é a segunda longa-metragem do cineasta LUÍS DIOGO, que também é autor do argumento original e coprodutor com António Costa Valente. Este filme é protagonizado, para além de Eric da Silva e Rui Oliveira, pela atriz Susie Filipe que é também baterista da banda aveirense “Moonshiners”.

O filme conta a história de um médico que tem uma vida SUBLIME mas para quem a tristeza é verdadeiramente um problema. Inesperadamente usa métodos radicais na esperança de voltar a injetar de vida pessoas que, segundo ele, já não a desfrutam.

Luís Diogo realizou anteriormente a longa metragem PECADO FATAL, que se transformou no filme português de longa metragem de ficção mais premiado de 2014, sendo igualmente autor dos argumentos originais dos filmes A BOMBA (de Leonel Vieira) e GELO (de Luís e Gonçalo Galvão Teles).

UMA VIDA SUBLIME será igualmente exibido no 22º AVANCA, Festival Internacional de Cinema que decorrerá na última semana de julho na localidade de mesmo nome do Concelho de Estarreja, e onde em 2016 decorreram parte significativa das filmagens desta longa metragem de ficção.
UMA VIDA SUBLIME vai estrear nos cinemas portugueses na segunda metade deste ano.

quinta-feira, 31 de maio de 2018

“O MISTÉRIO DO QUARTO ESCURO” NA FEIRA DO LIVRO DE AVEIRO

A HISTÓRIA DO CINEMA CONTADO ÀS CRIANÇAS
Integrado no Dia do Livro Infantil da 43ª Feira do Livro de Aveiro, no espaço do Mercado Manuel Firmino, pelas 18 horas será apresentado o livro “ Mistério do quarto escuro”, um conto de Mariana Bento Lopes com ilustração de Cibele Saque.
Este livro, editado pelas edições do Cine Clube de Avanca teve a participação do Plano Nacional de Cinema dos Ministérios da Cultura e da Educação, na pessoa da sua diretora,  Profa. Dra. Elsa Mendes, para além de ter sido uma publicação apoiada pelo IPDJ - Instituto Português do Desporto e da Juventude.
O livro é a história dos amantes de cinema, da luz da projeção e das histórias guardadas em latas. É a história de um cinema e do seu tempo feito memória. Uma história de uma arte com mais de cem anos, destinada aos mais jovens.
“aquele não era um candeeiro normal! Era o mais bonito que eu alguma vez tinha visto!! A sala iluminou-se, o candeeiro girou e lá dentro corria um cavalo a galope. Parecia magia! Eu nunca tinha visto nada assim!”
Um livro que simplesmente sorri às histórias do cinema, dos que por ele se apaixonaram, dos cineclubes, da sua magia tecnológica, do encontro do cinema com as pessoas de todas as gerações.
Uma obra ilustrada que abre um universo de linhas para descobrir e que nos deixa pensamentos como:
“O meu avô sempre me dizia que observar o mundo era um trabalho tão importante quanto todos os outros. Talvez mais importante ainda, mas isso foi algo que ele me deixou para descobrir.”
Mariana Bento Lopes é licenciada em Comunicação Social – com especialização em novos media – pela Escola Superior de Educação de Coimbra e mestre em Comunicação Multimédia na vertente de Audiovisual Digital pela Universidade de Aveiro.
Colaborou com várias produtoras regionais no âmbito da divulgação cultural, com ênfase no jornalismo aproximado. É membro do Cine-Clube de Avanca desde 2015, tendo levado a cabo um projeto de levantamento (inexistente até à data) da produção cineclubista aveirense, que veio a publicar pela Universidade de Aveiro.
Cibele Saque tem formação artística em Pintura, Estética e História de Arte na Sociedade Nacional de Belas Artes de Lisboa. Licenciatura em Ensino Educação Visual e Tecnológica - ESEL; Formação em Escultura / Estrutura Humana pela Accademia Europeia de Firenze / Accademia d’Arte Bianca Capelo, Florença - Itália. Doutoranda em Artes dos Media.
Desenvolve estudo e trabalho artístico com incidência no ‘movimento e gesto humano’, tendo realizado várias exposições individuais, coletivas e pedagógicas.
Este livro terá nova apresentação na sexta-feira dia 1 de junho na Biblioteca da Escola Egas Moniz em Avanca.