segunda-feira, 29 de junho de 2020

“A MENOR RESISTÊNCIA” – REALIZADOR APRESENTA FILME NO TEATRO AVEIRENSE

Esta terça-feira dia 30 de junho, na programação de “Os filmes das nossas Terças, o realizador  Rafael Marques irá apresentar a curta metragem “A Menor Resistência”, uma das obras distinguidas no Festival de Cinema AVANCA 2019.
Tendo sido realizado conjuntamente com Francisco Moreira, este é um filme inspirado na viagem de dois amigos pela Estrada Nacional 2, e no percurso de menor resistência que é comum a todas as viagens de todas as coisas.
O filme será exibido antecedendo a longa metragem “O Bar Luva Dourada” de Fatih Akin. 
“A Menor Resistência” é um “road movie” que tira partido das novas possibilidades de imagens aéreas que os drones vieram facilitar.
Desde Chaves até Faro, os realizadores mostram-nos as esplêndidas paisagens que tocam nas margens do que eles consideram ser a mais longa e encantadora estrada de Portugal. Uma viagem acompanhada com conversas vadias sobre rumos, sobre a vida, sobre o universo, que inspiraram esta história que conta como os caminhos são únicos a cada instante, seguindo uma ordem invisível e universal que rege todos os fenómenos naturais.
Este filme integrou a lista dos filmes selecionados para o Festival Internacional de Cinema AVANCA 2019, tendo sido distinguido com uma Menção Honrosa para Curta-Metragem na Competição Avanca.
Para assegurar o distanciamento social, estão garantidas medidas de segurança como a marcação prévia de lugares e a lotação reduzida por sala.
“Os Filmes das Nossas Terças” são uma iniciativa Teatro Aveirense, Plano Obrigatório e Câmara Municipal de Aveiro e têm o apoio do ICA e Ministério da Cultura.

terça-feira, 23 de junho de 2020

PELA PRIMEIRA VEZ NO PAÍS, UM “MINI DRIVE-IN ACESSÍVEL” COM AUDIO DESCRIÇÃO PARA CEGOS

É já na próxima sexta-feira dia 26 de junho, pelas 23 horas, no Largo de Água Levada em Avanca, que decorrerá o segundo “Mini Drive-In” e o primeiro no país com audiodescrição, inserido nas atividades prévias do 24º Festival de Cinema AVANCA 2020.

Em ecrã gigante ao ar livre, serão exibidas as curtas-metragens “1111” de M. F. Costa e Silva (Portugal), “The Kinematograph” de Tomek Baginski (Polónia), “Table 7” de Marko Slavnic (EUA), “Zero”, Christopher Kezelos (Reino Unido) e “We’ve all been there” de Nicholas Clifford (Austrália). Estes filmes participaram no Festival de Cinema Acessível que o Instituto Politécnico de Bragança organizou no ano passado em parceria com o AVANCA.

Este será um evento peculiar onde o objetivo é disponibilizar programação acessível para os públicos com deficiência e incapacidade sensorial, nomeadamente com o recurso da audiodescrição para cegos e outras pessoas com dificuldades de visão.
O filme “1111”, para além de audiodescrição também conta com legendagem para surdos.

O evento é aberto ao público em geral, desde que dentro do seu carro. Também em julho vai ser possível ir de carro assistir aos filmes do 24º Festival Internacional de Cinema AVANCA 2020. O festival decorre entre 18, 22 e 26 de julho.

Procurando responder ao contexto de pandemia, e com base nas orientações e recomendações da DGS e do Governo, o festival de cinema AVANCA continua a inovar e adapta-se aos novos tempos.

O AVANCA é uma organização Cine-Clube de Avanca e Município de Estarreja, acontecendo em cada ano com o apoio do ICA / Ministério da Cultura, do IPDJ, da CIRA, da Junta de Freguesia de Avanca, do Agrupamento Escolar de Estarreja, da Escola Egas Moniz, da Paróquia e das Associações de Avanca, contando ainda com o apoio de várias universidades e escolas de ensino superior do país, empresas e outras instituições da região.

segunda-feira, 15 de junho de 2020

AVANCA PiTCH SESSiONS tudo começa com uma conversa

O Avanca Pitch Sessions é a nova iniciativa da 24ª edição do Festival de Cinema AVANCA 2020 que visa apresentar à indústria dos audiovisuais as melhores ideias para curtas e longas metragens em fase de desenvolvimento, num ambiente de colaboração e promoção do cinema e dos autores.

As inscrições estão abertas até 28 de junho e serão selecionadas 10 curtas e 5 longas-metragens que ganham acesso a um workshop sobre pitch para cinema e sessões de mentoring exclusivas com o jornalista e crítico de cinema Rui Pedro Tendinha (SIC / Antena 3 / CineTendinha) e às sessões de competição, que decorrem em simultâneo com a edição deste ano do Festival de Avanca.

O júri inclui profissionais da produção, distribuição e media cinematográficos, estando já confirmados Nuno Gonçalves (Cinemundo - Portugal), Maria Pacheco (Light Box Films - Portugal), Ralf Tumbk (Plural Filmes - Brasil) e Simone Saibene (Noveolas Producciones - Espanha).

Além da apresentação e reconhecimento pela indústria, os vencedores de cada categoria poderão ganhar prémios atribuídos pelo Avanca Film Fund de apoio ao desenvolvimento e produção cinematográfica no valor de 1.500 Euros para as longas-metragens e 750 Euros para as curtas-metragens.

O Avanca Pitch Sessions está aberto a todos os argumentistas de língua portuguesa, espanhola ou inglesa que se poderão inscrever e consultar as condições de participação nesta competição no site avancapitchsessions.com

O Festival de Cinema AVANCA e o Avanca Pitch Sessions procuram responder ao contexto de pandemia, e irão decorrer com base nas orientações e recomendações da DGS e do Governo.
O AVANCA é uma organização do Município de Estarreja e do Cine Clube de Avanca e vem acontecendo em cada ano com o apoio do ICA / Ministério da Cultura, do IPDJ, da CIRA, da Junta de Freguesia de Avanca, do Agrupamento Escolar de Estarreja, da Escola Egas Moniz, da Paróquia e das Associações de Avanca, contando ainda com o apoio de várias universidades e escolas de ensino superior do país, empresas e outras instituições da região.

terça-feira, 9 de junho de 2020

FILME “ENTRE SONHOS” DE JOAQUIM PAVÃO ESTREIA NA RTP

O novo filme de Joaquim Pavão “Entre Sonhos” irá ter a sua estreia na RTP 2 no próximo dia 11  pelas 24h, no programa “Cinemax”.
Esta será a primeira exibição pública deste filme de curta metragem que integra o projeto de produção cinematográfica que Joaquim Pavão tem vindo a realizar conjuntamente com o MIEC -  Museu Internacional de Escultura de Santo Tirso, a Fugir do Medo, a Filmógrafo, o Cine Clube de Avanca e o Festival de Cinema AVANCA.

Neste filme, a ação decorre num mundo pós-capitalista em que todas as decisões dos humanos estão determinadas por uma universal “vontade correta”, via pela qual se estabelece a resolução dos conflitos e se atinge um hipotético equilíbrio pacífico.
Esse equilíbrio é posto em causa através dos sonhos das personagens que, nesse universo onírico, resgatam o seu livre arbítrio. Será possível conciliar a liberdade individual com a “vontade correta”?
Em algumas personagens, a busca da sua identidade leva-as a colocar em causa todo o sistema social em que vivem. Esses são catalogados pelo sistema como “Instáveis” e serão convidados a sair.
Fora de uma sociedade organizada, o indivíduo confronta-se, então, com todos os condicionalismos à sua existência. Como sobreviver? O que é o livre arbítrio?

Esta obra tem a particularidade de ter na sua autoria dois dos mais brilhantes guitarristas portugueses, não só na composição musical de Óscar Flecha como na realização da responsabilidade do também músico Joaquim Pavão.

Rodado em Santo Tirso e uma parte durante o Festival de Cinema AVANCA do ano passado, este filme engloba dezenas de participantes, nomeadamente em dois dos setores mais importantes da produção cinematográfica contemporânea: o trabalho dos atores e a direção de arte.

Contando com a participação de algumas das mais emblemáticas indústrias têxteis do Vale do Ave, o filme conta com figurinos exclusivos de Tucha Martins entre cenários noturnos do Museu de Escultura de Santo Tirso. Peças escultóricas que o cinema recria e transforma com a intervenção de atores. O filme, contando com a coautoria da atriz Isabel Fernandes Pinto e a curadoria de Álvaro Moreira, integra a contribuição criativa e transformadora de dezenas de atores do norte do país, nomeadamente: Aleksandar Ćurčić, Anabela Aragão, Anders Skriver, Andreia Silva, Ângelo Castanheira, Bernardo Santo Tirso, Bruna Herculano, Carlos Loureiro, Catarina Gomes, Catarina Santos, Eduardo Queirós, Filipe Gaspar, Igor Daniel, Inês Neiva, Isabel Fernandes Pinto, Isilda Mesquita, Joana Ratola Soares, Joel Sines, José Silva, Maria Avelãs, Maria João Mata, Miguel Henriques, Patrícia Lima, Rebeca Cunha, Rui Oliveira, Rui Pena, Sara Gonçalves, Susie Filipe, Teresa Chaves e Victor Valente

O filme terá igualmente uma exibição especial durante o 24º Festival Internacional de Cinema AVANCA 2020, a decorrer entre 17 e 26 de julho próximo, na reabertura dos festivais de cinema após o início da pandemia.

terça-feira, 26 de maio de 2020

“MINI DRIVE-IN” EM AVANCA – ANTECIPAÇÃO DO FESTIVAL DE CINEMA AVANCA 2020

Antecipando o que irá acontecer em julho, a organização do 24º Festival de Cinema AVANCA 2020 comemora a reabertura das salas de cinema previsto para o primeiro dia de junho, com um “Mini Drive-In” já na próxima noite de domingo para segunda às 00:05 na Ribeira do Mourão em Avanca, um braço da Ria de Aveiro. Este será um evento peculiar que marcará assim o início das atividades do festival que decorrerá entre 18, 22 e 26 de julho.
Em ecrã gigante ao ar livre serão exibidas as curtas-metragens “A tua vez” de Cláudio Jordão e David Rebordão, Prémio Estreia Mundial e “Tweet Tweet” de Zhanna Bekmambetova, Prémio Animação na edição anterior do festival.
O evento é aberto ao público em geral, desde que dentro do seu carro. Será um primeiro momento para iniciar o novo formato do que será o festival este ano. Em julho vai ser possível ir de carro assistir aos filmes do 24º Festival Internacional de Cinema AVANCA 2020.
Este evento abre assim um novo ciclo de cinema “Drive-In”, que irá acontecer em diversos espaços de Avanca e do Concelho de Estarreja. Em junho e julho, os carros irão estar virados para o grande ecrã onde será projetado alguns dos melhores filmes recentemente produzidos em todo o mundo.
Procurando responder ao contexto de pandemia, e com base nas orientações e recomendações da DGS e do Governo, o festival de cinema AVANCA volta a inovar e adapta-se aos novos tempos.
O AVANCA vem acontecendo em cada ano com o apoio do ICA / Ministério da Cultura, do IPDJ, da CIRA, da Junta de Freguesia de Avanca, do Agrupamento Escolar de Estarreja, da Escola Egas Moniz, da Paróquia e das Associações de Avanca, contando ainda com o apoio de várias universidades e escolas de ensino superior do país, empresas e outras instituições da região.

terça-feira, 12 de maio de 2020

“DRIVE-IN” NO 24º FESTIVAL DE CINEMA AVANCA 2020

Em julho vai ser possível ir de carro assistir aos filmes do 24º Festival Internacional de Cinema AVANCA 2020.
Pela primeira vez, em ecrã gigante ao ar livre, os filmes da competição do festival vão ser exibidos em sistema “Drive-In” num espaço amplo do centro da freguesia e junto ao Centro de Artes que o Cine Clube de Avanca ali se encontra a construir.

Procurando responder ao contexto de pandemia, e com base nas orientações e recomendações da DGS e do Governo, o festival de cinema AVANCA volta a inovar e adapta-se aos novos tempos.  Um “Drive-In” em Avanca permitirá a exibição à noite das longas metragens da Competição Internacional, bem como das curtas que a organização está a selecionar.

O “Drive-In” não irá acontecer num único lugar, pelo que, antecedendo o festival, serão realizadas sessões em diversos espaços de Avanca e do Concelho de Estarreja. Em junho e julho, os carros irão estar virados para o grande ecrã onde será projetado alguns dos melhores filmes recentemente produzidos em todo o mundo.

O AVANCA 2020 anunciou já a atribuição de um prémio de 5.000 euros destinado ao vencedor da categoria Estreia Mundial, numa parceria com o “AFF – Avanca Film Fund”. Este fundo financeiro destinado ao apoio à produção cinematográfica na região, tal como a organização do festival, é uma parceria entre o Município de Estarreja e o Cine Clube de Avanca.

Na competição oficial deste festival participam filmes de ficção, animação, documentários e obras experimentais, para além de cinema VR (Realidade Virtual). Entre as diversas competições fílmicas que o evento aglutina em cada ano, sobressai a Competição Avanca, constituída pelos novos filmes produzidos na região.

Este ano, os “Encontros Internacionais de Cinema, Televisão, Vídeo e Multimédia – AVANCA 2020” terão igualmente uma forte componente de proximidade virtual com vários acontecimentos paralelos a acontecer por videoconferência e plataformas informáticas dedicadas.

Durante o dia, não sendo possível projetar no formato “Drive-In”, algumas das competições do festival deverão acontecer nas salas habituais, embora com uma forte redução da sua lotação. O Auditório Paroquial de Avanca verá os seus 1000 lugares sentados ser reduzidos para pouco mais de 200.

Entre 18 e 22 e 26 de julho o cinema volta a encontrar os ecrãs no Concelho de Estarreja com os cineastas, espetadores e amantes de cinema confinados ao seu carro. O AVANCA vem acontecendo em cada ano com o apoio do ICA / Ministério da Cultura, do IPDJ, da CIRA, da Junta de Freguesia de Avanca, do Agrupamento Escolar de Estarreja, da Escola Egas Moniz, da Paróquia e das Associações de Avanca, contando ainda com o apoio de várias universidades e escolas de ensino superior do país, empresas e outras instituições da região.

quarta-feira, 15 de abril de 2020

QUINTAS DE CINEMA – PORQUE O CINEMA NÃO PÁRA

Em tempos de pandemia, O Cine Clube de Avanca continua a sua programação das quintas feiras à noite no Cine Teatro de Estarreja de forma online, promovendo a exibição de filmes sempre às quintas – feiras, às 21h30.

A terceira estreia é esta quinta-feira, 16 de abril, com “Sonho Longínquo no Equador”, de Hamilton Trindade. O documentário transporta-nos para São Tomé e Príncipe, em particular, para a realidade de alguns jovens com vivências socialmente diferentes que têm um sonho em comum: concluir os estudos e arranjar um emprego. Mas cada um deles, devido aos seus contextos sociais, enfrentarão dificuldades para atingirem os seus objetivos e seus sonhos de vida. O filme procura perceber como encaram o futuro a cada dia que passa

Hamilton Trindade nasceu em 1983 e é natural de São Tomé e Príncipe. Reside em Portugal. Licenciado em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro, já participou e desenvolveu diversos projetos do âmbito cultural e juvenil. Atualmente trabalha como técnico de audiovisual e apoio técnico em produções culturais no Cine-Teatro de Estarreja desde 2011. É o diretor do São Tomé Film Festival e tem colaborado desde há vários anos com o festival de Cinema de Avanca.

“Sonho Longínquo no Equador” é o primeiro trabalho do jovem Hamilton Trindade como realizador, contando com apoios do ICA - Instituto do Cinema e do Audiovisual, do IPDJ-Instituto Português do Desporto e Juventude e do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua,I.P.  para além de diversas entidades locais.

As QUINTAS DE CINEMA são uma programação do Cine Clube de Avanca em colaboração com o Cine Teatro e Município de Estarreja e o apoio do ICA do Ministério da Cultura.

quinta-feira, 9 de abril de 2020

5000 EUROS PARA APOIAR A PRODUÇÃO DE CINEMA PÓS PANDEMIA.

24º FESTIVAL DE CINEMA AVANCA 2020 ATRIBUI PRÉMIO MONETÁRIO À ESTREIA MUNDIAL.

Este ano e pela primeira vez, o vencedor do Prémio Estreia Mundial receberá um prémio monetário de 5.000 euros para produzir o seu próximo filme. Uma contribuição do “AVANCA – Encontros Internacionais de Cinema, Televisão, Vídeo e Multimédia” para apoiar a produção de cinema no pós-pandemia.

Numa altura em que, em todo o mundo se deixou de filmar, este prémio é uma contribuição efetiva e de esperança para os próximos tempos que vão ser obviamente muito duros.

O AVANCA é atualmente um dos raros festivais portugueses com maior percentagem de filmes mundialmente inéditos, que aqui encontram a sua primeira exibição. Os filmes que têm a sua estreia mundial no AVANCA, independentemente da categoria em que estejam inscritos, concorrem ao Prémio Estreia Mundial. O prémio é uma participação em coprodução no próximo filme do vencedor.

O AVANCA – Encontros Internacionais de Cinema, Televisão, Vídeo e Multimédia entra este ano na sua 24ª edição e tem desde 1997 e de forma inédita, a preocupação de juntar a formação prática à competição internacional de filmes.

No espaço “Oficinas de Criação Fílmica”, os participantes no Festival AVANCA podem participar na rodagem de novos filmes enquanto assistem às competições do festival.

De forma inédita, os filmes rodados no festival têm tido uma divulgação internacional com uma marca record de 69 prémios em festivais de 18 países.

Estes números enchem-se de um passado rico e cheio de acontecimentos que justificam a sua continua celebração de uma forma criativa e substantiva, sobretudo em tempos difíceis. O AVANCA parece ter construído uma marca única na história dos festivais de cinema em Portugal. As experiências, as personalidades, os amigos e a paixão de quem faz e cria o ambiente deste festival singular.

Exibindo e premiando obras de longa e curta metragem, de ficção, documentário, animação e vídeos de caráter experimental e filmes VR – Realidade Virtual, distinguindo atores e autores, este ano a 24º edição do AVANCA 2020 decorre entre 18, 22 a 26 de julho na localidade de mesmo nome do centro do país.

O 24º Festival Internacional de Cinema AVANCA 2020 é uma organização do Cine-Clube de Avanca e Município de Estarreja, com o apoio do ICA / Ministério da Cultura, IPDJ, CIRA, Agrupamento de Escolas de Estarreja, Junta de Freguesia e Paróquia de Avanca, para além de várias entidades locais e universidades portuguesas.

quinta-feira, 2 de abril de 2020

FILME “PECADO FATAL” SUPERA AS 3 MILHÕES DE VISUALIZAÇÕES


Seis anos anos depois da estreia, “Pecado Fatal” é o primeiro filme português a ultrapassar a marca impressionante de 3 milhões de visualizações no Youtube..
Em tempo de confinamento por culpa da pandemia do COVID-19 que alterou fortemente os hábitos e as rotinas de vivência, esta longa-metragem de ficção está ter mais de seis mil visualizações por dia, o que implica que a cada 15 segundos alguém está a iniciar o visionamento deste filme.
O “Pecado Fatal” parece estar a ser o maior contributo do cinema português para os nossos tempos difíceis.
Para além deste número impressionante, outras versões do filme legendado ou dobrado noutras línguas estão espalhadas pela net, multiplicando este número de infoespetadores.
“Pecado Fatal”, que Luís Diogo produziu com o Cine Clube de Avanca e a Filmógrafo, é protagonizado por Sara Barros Leitão, Miguel Meira e João Guimarães, tendo contado ainda a participação de atores como José Eduardo, Monica Morado, Ângela Marques, Margarida Carvalho, João Melo e a cantora Daniela Galbin.
Integrando o TOP 10 dos filmes da Lusofonia, em 2014 esta longa-metragem de ficção foi o filme português mais premiado em festivais de cinema no estrangeiro.
Adquirido por uma multinacional americana, “Pecado fatal” tem estado em múltiplas exibição, nomeadamente em canais televisivos de cinema, legendado e dobrado em variadíssimas línguas.
Tendo sido exibido na RTP2, o filme chegou ao Youtube e transformou-se num sucesso de visualizações e comentários.
“Pecado fatal” conta uma história de equívocos e paixão que vive no limbo de um pecado irrevelável. Lila procura reconstruir um puzzle onde algumas peças faltam e outras não se encaixam, um puzzle iniciado 20 anos antes.
Luís Diogo é também o realizador da longa metragem “Uma Vida Sublime”, um filme que em 2018 recebeu 34 prémios, tendo-se transformado no filme mais premiado do cinema português.
Nascido na Guiné-Bissau e sendo natural de Castelo Branco, formou-se em artes visuais pela Escola Superior de Educação da sua cidade, estudou cinema na ESAP do Porto e tem orientado e coordenado ações de formação em escrita cinematográfica, nomeadamente no Festival de Cinema AVANCA.
“Pecado Fatal”, que Luís Diogo produziu com o Cine Clube de Avanca e a Filmógrafo, foi rodado maioritariamente em Paços de Ferreira e Castelo Branco, tendo contado com vários apoios locais.

(alguns comentários)

quarta-feira, 1 de abril de 2020

QUINTAS DE CINEMA CONTINUAM NO CINE TEATRO DE ESTARREJA


O Cine Clube de Avanca continua a sua programação das quintas feiras à noite no Cine Teatro de Estarreja, agora de forma online.
Depois de ter exibido na passada quinta feira o polémico documentário de Carlos Silva “About Pigs”, que nos transportou para a crise de 2008, é tempo de exibir um filme que de algum modo antecipa as festividades da Páscoa, que se aproximam de um modo tão singular.

“A festa do nosso menino São Gonçalinho” de Pablo António será exibido no Facebook do Cine Teatro de Estarreja pelas 21h30 desta quinta-feira dia 2 de abril.

Filmado na altura das festas religiosas a São Gonçalinho na cidade de Aveiro, este documentário aborda também as comemorações pagãs, testemunha razões de fé e mostra as conhecidas cavacas atiradas de cima da capela.
Este filme, realizado na sequência de um mestrado realizado na Universidade de Aveiro pelo autor, teve a sua estreia no Festival Internacional de Cinema AVANCA onde foi distinguido com Menção Especial Documentário. Posteriormente este filme foi exibido em diversos festivais de cinema em Portugal, Brasil, Espanha e Croácia, tendo sido também premiado no “Wine and Flavours Film Festival, Lisboa” com o Prémio Melhor Filme Nacional e no “Do Pão Festival Internacional de Cinema Documental 2017 de Albergaria-a-Velha” com o Prémio Curta-metragem.
Pablo António viria a realizar no Brasil um segundo documentário intitulado “Reis do Sertão”, coproduzido pelo Cine Clube de Avanca, que entre outros prémios foi nomeado para os Prémios SOPHIA.

Na semana da Páscoa a programação será interrompida, voltando na semana seguinte sempre à mesma hora.

As QUINTAS DE CINEMA são uma programação do Cine Clube de Avanca em colaboração com o Cine Teatro e Município de Estarreja e o apoio do ICA do Ministério da Cultura.

terça-feira, 17 de março de 2020

O FILME “UMA VIDA SUBLIME” É AGORA MEMÓRIA DA VOZ PODEROSA DE PEDRO BARROSO

Calou-se a voz poderosa de Pedro Barroso, o poeta de canções, como gostava de dizer.
Aos 69 anos, após doença prolongada, desaparece este cantautor com uma vida preenchida enquanto músico de intervenção, defensor firme dos direitos dos autores e paradoxalmente professor.
Foi docente de educação física, mas também chegou a trabalhar na área da Saúde Mental e Musicoterapia, tendo sido pioneiro no ensino de crianças surdas-mudas.
A sua música marcou gerações e o realizador Luís Diogo, também ele professor, escolheu a canção “Balada do Desespero” de Pedro Barroso para abrir o seu último filme “Uma Vida Sublime”.
Luís Diogo acaba de publicar nas redes sociais que esta foi a canção que mais influenciou a sua vida.
O sucesso internacional do filme levou Pedro Barroso a publicar em tempos, o seguinte texto:

"Não sendo nenhum feito recente nem nenhuma glória que mude a minha vida, é agradável saber que o filme mais premiado de sempre do cinema português usa um tema meu. Com efeito, quase esquecida nos tempos, a "Balada do desespero" ilustra os primeiros minutos do filme "Uma vida sublime", de Luís Diogo. 34 prémios em Festivais, até ver. Nada mau. E o tema encaixa como uma luva. Ainda vou parar a Hollywood."

Efetivamente é toda a balada que abre de forma inabitual o filme de Luís Diogo, numa homenagem que o realizador quis fazer a esta música e ao seu autor.

Tendo passado pela rádio, pelo teatro, pela pintura e literatura, Pedro Barroso com 19 anos revela-se no programa televisivo “Zip-Zip” da RTP. Ali atuou acompanhado por Pedro Caldeira Cabral na guitarra portuguesa e Pedro Alvim à viola.
Opositor ao Estado Novo, viria a participar nas Campanhas de Dinamização Cultural do Movimento das Forças Armadas (MFA), dando concertos por todo o país.
Barroso gravou mais de duas dezenas de álbuns, EP, singles e coletâneas, num percurso iniciado em 1970. Percorrendo várias vezes o país em sucessivos concertos, muitos deles nas maiores e mais emblemáticas salas de espetáculo portuguesas, Pedro Barroso atuou igualmente em inúmeros países no estrangeiro, encantando salas de concerto e estúdios de rádio e televisão.
Tendo sido distinguido com a Medalha de Honra da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), a sua voz marcante e a força emotiva da sua poesia canção moram pelas páginas e pelas gravações de uma vida que soube encher de emoção.

Pedro Barroso mora também na “Balada do Desespero” do filme de Luís Diogo, diabolando pelo mundo onde este filme tem marcado a força da criação autoral portuguesa.
“Uma Vida sublime” foi coproduzido pelo Cine Clube de Avanca e a Filmógrafo.

domingo, 8 de março de 2020

PRÉMIO DO PÚBLICO DO FANTASPORTO 2020 PARA FILME “POR DETRÁS DA MOEDA”

O Prémio do Público do FANTASPORTO 2020 foi este ano atribuído a um filme português.

Depois de uma estrondosa salva de palmas no Rivoli, com o público todo de pé, o filme “Por Detrás da Moeda” de Luís Moya, produzido pela Filmógrafo e Cine Clube de Avanca, foi distinguido pelos espetadores na noite da entrega de prémios.

Para além do Prémio do Público, o documentário “Por Detrás da Moeda” recebeu ainda uma Menção Especial de Melhor Filme Português.

Rodado no Porto com alguns dos mais carismáticos músicos de rua da cidade, o filme acompanha, entre outros, Alexandre Amorim, um dos fundadores dos “Pippermint Twist”, grupo que nos anos 80 partilhou o top de vendas com os “Xutos & Pontapés”.

Com o cantor Nuno Norte e o baixista Miguel Cerqueira, fundador dos “Trabalhadores do Comércio”, esta longa metragem é também um tributo à cidade do Porto.

“Por Detrás da Moeda” é a primeira longa metragem de Luís Moya, que tendo estudado na ESAP - Escola Superior Artística do Porto, está a rodar um novo filme nas Bahamas.
Anteriormente filmou, entre outros, “Mia Mia Sudan Tamam Tamam”, rodado no Sudão e distinguido com o Prémio de Cinema Português no Fantasporto de 2013.



O filme japonês "Ghostmaster", de Paul Young, foi eleito o melhor filme do Fantasporto, que este ano comemorou a sua edição número 40.
O também japonês Sabu ganhou o prémio especial do júri com o filme “Dancing Mary” e o realizador filipino Roderick Cabrido, com “Clarita”, recebeu a distinção para a melhor realização.

Com a Ásia fortemente presente no palmarés final, as distinções repartiram-se pelo Canadá, Coreia do Sul, Dinamarca, Espanha, Rússia, Suécia, Taiwan e Turquia, para além do Japão e Filipinas.

A ficção de curta metragem "Bunker" de João Estrada ganhou o Prémio do Cinema Português e nos prémios de escola foram distinguidos a ETIC e "Leo", de Maria Eduarda Rodrigues.

O realizador macedónio Milcho Manchevski, com "Willow", ganhou o Prémio Manoel de Oliveira, da Semana dos Realizadores, numa edição em que o húngaro Béla Bagóti ganhou o Prémio de Melhor Realizador e Melhor Argumento com o seu filme "Valan – Valley of angels", com estreia prevista para breve em Portugal.

Também com estreia prevista nas salas de cinema, “Por Detrás da Moeda” voltará a ser exibido em julho próximo no “24º AVANCA – Encontros Internacionais de Cinema, Televisão, Vídeo e Multimédia”.

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

FILME “POR DETRÁS DA MOEDA” NA COMPETIÇÃO DO FANTASPORTO

O filme “Por Detrás da Moeda”, produzido pela Filmógrafo e Cine Clube de Avanca, da autoria de Luís Moya, é uma das duas longas metragens portuguesas em exibição na competição do FANTASPORTO 2020.

Rodado no Porto com alguns dos mais carismáticos músicos de rua da cidade, o filme acompanha, entre outros, Alexandre Amorim, um dos fundadores dos “Pippermint Twist”, grupo que nos anos 80 partilhou o top de vendas com os “Xutos & Pontapés”.
No filme aparecem também Nuno Norte e Miguel Cerqueira, baixista fundador dos “Trabalhadores do Comércio”.

O filme tem exibição marcada para as 16h45 de sábado dia 29 de fevereiro no Teatro Rivoli, no Porto, integrando a competição oficial do Festival Fantasporto, que este ano comemora a sua edição nº40.

“Por Detrás da Moeda” é a primeira longa metragem de Luís Moya, que anteriormente filmou, entre outros,  o documentário “Mia Mia Sudan Tamam Tamam”, rodado no Sudão e distinguido com o Prémio de Cinema Português no Fantasporto de 2013.

Luís Moya estudou cinema na ESAP - Escola Superior Artística do Porto e na Escola de Artes Saint-Lukas em Bruxelas, tendo desenvolvido projetos de cinema independente de curta-metragem, para além de ter um já longo e internacional historial de televisão. Luís Moya, entretanto, está a rodar um novo filme nas Bahamas.

“Por Detrás da Moeda” deverá chegar às salas de cinema até ao final do ano e em julho próximo deverá voltar a ser exibido no “24º AVANCA – Encontros Internacionais de Cinema, Televisão, Vídeo e Multimédia”.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

FILME DO CINE CLUBE DE AVANCA, RODADO NA SÍRIA E EM KIEV, PREMIADO NA UCRÂNIA

O filme DIADEMA de Milana Majar, produzido pela RTRS e coproduzido em parceria com o Cine Clube de Avanca, foi premiado com a “Emerald Diploma” no 11º International Orthodox Film Festival de Dnipro na Ucrânia.

O documentário DIADEMA explora o "mundo interior" da artista Youla Bnayat, primeira bailarina da companhia nacional de bailado da Síria antes do começo da guerra, cuja trajetória de vida sofreu uma reviravolta incomum.
Perante a tragédia em que mergulhou a Síria, Youla viaja em 2013, da Síria para Kiev, onde testemunhou os eventos no Maidan, a onda de manifestações nacionalistas e de agitação civil na Ucrânia, iniciada na noite de 21 de novembro.

Entretanto da Síria e da Guerra de 2013 - Caos, catástrofe e ausência de sentido, mas também beleza e poética – ficou uma experiência profundamente impressa no seu subconsciente. A última dança no anfiteatro medieval ainda faz cócegas no nariz... Ela reconhece as vozes e o ritmo dos passos numa explosão de emoção. Fora da tragédia da guerra que esmagou os seus sonhos, o mundo de Youla está entrando em colapso novamente, num espaço que é o seu único refúgio. Mas destas feridas, uma nova vida nasceu ...

Rodado entre Kiev e Damasco, falado em árabe e russo, produzido entre a Bósnia e Herzegovine (Esad Bajric e RTRS - Radio Television of Republika Srpska) e Portugal, este filme teve direção de fotografia de António Costa Valente e do fotografo sírio Dejan Racic, música de Mohammad Habbash, montagem de Dragana Mitric e montagem de som de Vladimir Vladetic.

Milana Majar, realizadora e argumentista é sobretudo conhecida pelos seus documentários
From the Edge of Sanity (2018) e In Manus Tuas (2019), ambos os filmes premiados em diversos festivais de cinema da Europa e Ásia.

O “Orthodox Film Festival de Dnipro”, realizado com o apoio da Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Moscovo, foi alvo de fortes protestos dos nacionalistas ucranianos, perante a forte presença de cinema russo.
As salas de cinema foram invadidas por nacionalistas e o festival foi interrompido por entre slogans radicais e manifestações de rua.
O festival viria a realizar-se à porta fechada no Centro de Cultura Ortodoxa de Dnipro, uma cidade com mais de um milhão de habitantes, considerada a quarta maior cidade da Ucrânia e localizada no sudeste do país, nas margens do rio que dá nome à cidade.

DIADEMA ainda não tem data de estreia em Portugal.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

MANUEL GERAZ. ATOR DO FILME “SÓCIOS” É CIDADÃO DE MÉRITO DE VIANA DO CASTELO (A TÍTULO PÓSTUMO)

Em cerimónia pública que decorreu no Teatro Sá da Bandeiro, cujo palco Manuel Geraz bem conhecia, a sua filha e também atriz Vânia Geraz, recebeu do Municipio Vianense a distinção de Cidadão de Mérito, a título postumo e 18 anos após o seu desaparecimento.

Tendo concluido em 1987 o Curso Superior de Teatro na ESAP, Manuel Geraz participou em  vários espetaculos das companhias portuenses Teatro Experimental do Porto e Seiva Trupe.

Em 1991 foi um dos fundadores do Teatro do Noroeste em Viana do Castelo, onde desenvolveu uma intensa atividade como ator e encenador. Na sua cidade foi ainda professor de Expresão Dramática na Escola Superior de Educação.

No cinema foi protagonista da curta metragem SÓCIOS, filme premiado internacionalmente e com a participação do Cine Clube de Avanca.

Sobre ele escreveu Angela C.
“Nascer e morrer sem prevalecer não é designio dos da condição de Manuel Geraz. Prevalecer discreta e intensamente, este era o paradoxo da sua vida, um social anónimo e um palco extremado pelo talento que se desgarra do nome: ATOR.”

Manuel Geraz Ribeiro, ator, encenador e um carismático amigo dos filmes e do festival AVANCA (1953 - 2001).


quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

ANO NOVO COM MAIS DE UM MILHÃO DE VISUALIZAÇÕES PARA PALAVRAS DE “UMA VIDA SUBLIME”

O filme “Uma Vida Sublime” que Luís Diogo realizou e produziu em conjunto com o Cine Clube de Avanca e Filmógrafo, tem um inesperado parceiro no grupo de rap e hip hop “Wet Bed Gang”.

O seu novo e longo video clip “Head na Glock”, estreado no Youtube há pouco mais de 15 dias, chega ao novo ano ultrapassando um milhão de visualizações.

Neste video, assinado por André Caniços, para lá dos 4 minutos, surge, entre outros, Sara Tavares e Ângelo Torres com as palavras do filme “Uma Vida Sublime”, ditas pelo ator Paulo Calatré:

“As pessoas não ficam infelizes porque não têm o emprego que sonharam, a mulher ideal ou o homem ideal, ou porque lêem notícias depressivas na televisão...
...as pessoas ficam deprimidas porque há pessoas como tu que se estão constantemente a repetir que a vida é uma merda...
as notícias, por televisão, no cinema, no dia a dia, todo o santo dia nos dizem que a nossa vida é uma merda, para termos um emprego normal, para termos rotinas, porque vamos ao ginásio porque não vamos, porque somos gordos ou magros, ou porque compramos coisas que vocês acham fúteis,...
...e sabes o que é absurdo nisto tudo?”

Palavras que fazem parte do argumento original de Luís Diogo e que os Wet Bed Gang quiseram colocar no seu novo video clip.

Formados na Vialonga em 2014 por João Rossi "La Bella Mafia" e Pizzy, os Wet Bed Gang, o grupo é composto por quatro cantores e rappers portugueses, com os nomes de palco Gson, Zara G, Kroa e Zizzy Jr. Com uma enorme legião de seguidores no Facebook e várias vezes em primeiro lugar no Spotify, este grupo de hip-hop tuga tiveram em 2018 o seu ano de maior reconhecimento.

Foi precisamente em 2018 que o filme “Uma Vida Sublime” marcou história ao ganhar 34 prémios em festivais de todo o mundo e transformando-se no filme de longa metragem de ficção mais premiado de sempre no cinema português.

Rodado em parte durante o Festival de Cinema AVANCA 2016, percorrendo mais de 60 festivais internacionais dos 5 continentes, tendo estreado na Rússia e prevendo-se a sua próxima estreia no Brasil, este filme é a segunda longa metragem do argumentista e realizador Luís Diogo.